31.5.10

Um toque do JdFA

Liderança do para-quedismo

Frase do bom pára-quedista:
"Estou contigo e não abro".


Quem é quem

Para a
Federação Mineira de Futebol
quem é o

presidente do PFC?
Marcão? Fábio Gasolina? Mário Elísio Jacinto?

Corpo de Bombeiros libera
estádio Júlio Aguiar

Prefeitura tem 45 dias para deixá-lo nos trinques

Ainda falta o documento da Polícia Militar
sobre as condições de segurança

Clique aqui para ampliar a imagem.

Time eleitoral (Bacia das almas)

Tudo pela hora da morte
Campanha Política em Campo

É cada idéia que aparece

Se ninguém fala nada, impera a idéia (seja ela boa ou ruim) por unanimidade.

Essa conversa de que a “cidade poderá ter pelotão da PM na área central” beira o elitismo muito apropriado ao Socialismo Socialite, mas em nada condiz com a triste realidade da violência e criminalidade que assombra a população.

Se estiverem pensando mesmo em deslocar o “pelotão da PM”, o mesmo deve ser implantado/instalado em bairros como Serra Negra, Santa Terezinha e Santo Antônio, que figuram entre e são tidos e havidos como os mais violentos de Patrocínio.

E a polícia precisa andar/caminhar mais a pé pela cidade. Fardada e a paisana.

Descentralizar, sim, mas para áreas em que a presença da PM realmente faça a diferença.

Façam uma pesquisa e constatem o que a população realmente quer: “pelotão da PM na área central” ou em bairros como Serra Negra, Santa Terezinha e Santo Antônio.

A resposta é tão óbvia, não?

27.5.10

Sanarelli no gabinete do poder

Missão Poder, o Resgate.
Substituindo à altura.

Entenda o mote clicando aqui.

Se o vereador Alberto Sanarelli Júnior quiser que sua assessoria da Câmara o acompanhe em sua nova empreitada na alçada do Poder Executivo, atendendo aos seus interesses e/ou necessidades, poderão ser criados, no âmbito da Chefia de Gabinete, serviços e funções específicas, os quais serão explicitados no respectivo decreto que o designará/nomeará para o cargo. Isso é muito simples de resolver. Não tem burocracia e é facultado pela legislação em vigor. Assim o grande Sanarelli, além de não deixar sua equipe na mão, ainda poderá contar com ela para a boa marcha de seus trabalhos de assistir o prefeito nas funções político-administrativas, bem como ao exercer outras atribuições que lhe forem delegadas e/ou designadas pelo novo patrão (que a partir de então já não será mais o povo que o elegeu).

Sobre crítica e contradição

Prefeito critica apoio de Júlio Elias
a "pára-quedista" uberabense.

Em entrevista coletiva na tarde de quarta-feira, o prefeito disse que não apoiará os famosos “pára-quedistas”, e que sua idéia é trabalhar para que seu grupo político (o “grupo que regatou o poder”) possa apoiar pessoas que estejam trabalhando e trazendo benefícios para Patrocínio.

Logo em seguida, na mesma entrevista, ele se contradisse:

“Eu vou colocar o nome do Gilmar (Machado). Todo mundo sabe disso, porque é uma pessoa que tem nos ajudado”.

Mas, ainda assim, não deixa de ser pára-quedista, com interesses maiores, reduto eleitoral e foco em outras plagas. E pau que bate em Chico bate em Francisco.

Para a imprensa o prefeito municipal (que tempos atrás declarou seu voto ao deputado federal uberlandense Gilmar Machado) criticou o fato de o ex-prefeito Júlio Elias ter manifestado ao seu eleitorado, no último dia 20 de maio, durante almoço no ‘Traíras Filet’, que irá apoiar o deputado federal Marcos Montes, de Uberaba.

“Nós já vimos um apoio agora recentemente do ex-prefeito a um deputado federal que veio algumas vezes aqui em Patrocínio”.

“Veio nas festas na casa do ex-prefeito. Acho que isso aí não é maneira de se apoiar”.

“Tudo bem, tem a questão pessoal, a questão que a gente apóia um parente, um amigo e tal, mas acho que, enquanto homem público, você não pode externar dessa maneira”.


Isto posto, pelo visto, pára-quedistas uberlandenses e uberabenses vão saltar e pousar aos montes no pedaço.

Mesmo que Patrocínio tenha excelentes candidatos filhos da terra (já eleitos nas duas esferas, conhecedores 'in loco' de nossos anseios, trabalhando por nosso desenvolvimento, buscando o direito de continuarem trabalhando, com afinco e amor nativo).

Tanto o prefeito quanto o ex-prefeito precisam rever seus posicionamentos e 'apoiamentos'.

Fonte: dianewsnoticias.

Sapos de fora


Idéia de Patrocínio FC usar estádio do Mamoré foi do deputado Durval Ângelo, afirma Marcão.

"Graças à força e interferência do deputado Durval Ângelo. Ele já contactou em Patos de Minas, através do Mamoré. Já falou com o Pio (Eugênio) pra ver se eles enviam os documentos pra cá. O Mamoré vai ceder o estádio deles para o mando de campo do Patrocínio Futebol Clube, enviando o documento para a Federação até as 19 horas". (Programa Parada dos Esportes, Rádio Difusora de Patrocínio, 27/5/2010).

Mico é pouco

O Sapo do Esporte Clube Mamoré.

Nossa eterna dependência de Patos

Para a Federação Mineira de Futebol, o estádio do Patrocínio Futebol Clube é o do Mamoré de Patos de Minas.

Com que autoridade este secretário do Governo 23 sujeitou Patrocínio a um vexame desses?

Colunista Luiz Carlos de Oliveira Jr., especialmente para o JdFA.

Antes de ler o que se segue abaixo, primeiramente você precisa ler aqui no maisumonline.

Para entender o desespero pela hora da morte, a bacia das almas que se tornou questão de honra recomeçar a ‘tocar’ futebol profissional na cidade, tudo em nome da necessidade de buscar uma popularidade para o Governo 23 em véspera de eleição. Tudo para dar discurso para campanhas eleitorais de Durvais, Gilmares, Adelmos etc.

Patrocínio está com o filme queimado junto à Federação Mineira de Futebol, de acordo com entrevista do secretário de Esportes à Rádio Difusora.

São muitas pendências. São muitas dificuldades. Mas, dentre as mais fortes, está justamente a “falta de pessoas com credibilidade interessadas em compor a diretoria do recém criado Patrocínio Futebol Clube”.

Pessoas sérias, experientes, com norráu, peso e medida, não querem participar desse ‘arranjamento’ de última hora, desse corre-corre desesperador para se ‘tocar’ um time profissional.

Sem um projeto sério, embasado, calçado na responsabilidade com o futuro, a tendência é de nada levar a lugar algum.

O próprio secretário confessou, publicamente:

“Desde o dia que nós selamos a parceria com o Santo André nós nos reunimos com os segmentos organizados de Patrocínio, buscando alguém que pudesse emprestar seu nome ao Patrocínio Futebol Clube, para compor uma diretoria que tivesse peso e dinamismo, porque o que eles alegam é que as vezes as pessoas que militam nesse meio não têm credibilidade almejada e desejada. Infelizmente nós ainda não conseguimos lograr êxito nisso e isso era o que mais estava dificultando as coisas pra gente aqui em Belo Horizonte”.

Não encontraram ninguém “que pudesse emprestar seu nome ao PFC”, e como querem botar o time no campo a qualquer custo, tiveram que improvisar.

Depois de estafantes conversas (sem lograr êxito), essa responsabilidade ‘sobrou’ para Fábio di Paula, o Fabinho Gasolina, secretário municipal de Obras, que nada mais é do que empregado do Governo 23. E também para outro ‘empregado’ da administração: o próprio secretário de Esportes.

Como ninguém topou, e como a 'coisa' tem que sair de qualquer jeito - na raça e no peito, os nomes dos dois figuram como responsáveis pelo PFC junto a Federação Mineira de Futebol. Ou seja: Gasolina e Marcão constituem a primeira diretoria do clube.

Mas não é só isso, não. Falta aprovação para os dois estádios municipais da cidade: o Júlio Aguiar e o Gigante do Horto.

Pela FMF, de acordo com palavras do secretário, “os nossos campos não estão em condições de atender a portaria 124 do Ministério dos Esportes. Eu já entrei em contato com um engenheiro, com o Corpo de Bombeiros para que adequações necessárias sejam feitas no Júlio Aguiar. Se isso não for feito, a gente não tem condições de disputar o Campeonato Mineiro”.

Nesse particular o desespero chegou às vias de fato.

Para dar entrada nos documentos dentro do prazo legal (até o final da tarde de hoje, quinta-feira, 27/5), foi preciso um contato com a diretoria do Mamoré Futebol Clube, de Patos de Minas.

“O Mamoré cedeu o estádio Bernardo Rubinger de Queiroz para que o PFC possa exercer seu mando de campo até as reformas no Júlio Aguiar serem concluídas”.

Tudo pela hora da morte. Tiveram cara pra isso. E eu não sei onde enfiar a minha. Tudo pela participação do Patrocínio Futebol na Terceira Divisão do Campeonato Mineiro desse ano. Lá vamos nós depender de Patos de Minas mais uma vez. Mais uma pérola que vai entrar para o anedotário dos torcedores patenses, sempre tão críticos quando o assunto é a velha 'rivalidade'.

Com que autoridade este secretário do Governo 23 sujeitou Patrocínio a um vexame desses? Se antes desse 'entreguismo confesso de incompetência' ele fizesse uma pesquisa de opinião pública, receberia um grande e sonoro NÃO na cara. Nunca que os patrocinenses de brio aceitariam uma ideia de jerico como essa.

Fica fácil entender porque pessoas sérias de nossa cidade não quiseram “emprestar seu nome ao PFC”.

Com certeza vão esperar passar este ano de eleição.

P. S.: Sobre as melhorias nos dois estádios de Patrocínio, leia mais aqui.

Se sobrar, comprem velas

"Prefeito anuncia antecipação de pagamento do funcionalismo"

"Durante o feriadão de Corpus Christi aproveitem seus salários da melhor maneira possível".

“A antecipação de cinco dias, segundo o prefeito Lucas Siqueira, vai permitir que os servidores públicos possam aproveitar seus salários da melhor forma possível durante o feriadão (Corpus Christi)”.

“O pagamento seria dia 7 de junho, mas nós estamos antecipando para o dia 3, justamente para a gente dar melhores condições para os servidores públicos receberem seus salários e poderem aproveitarem (sic) da melhor maneira possível”, enfatizou o prefeito.

O JdFA recomenda à grande massa dos abnegados funcionários da prefeitura que, se por acaso sobrar algum trocadinho do mirrado salário que o prefeito reajustou em 4,7%, que eles comprem as afamadas Velas São Lucas para a procissão.

No mais, fé em Deus e pé na tábua.

Fonte: dianewsnoticias

E se? (Hipotéticas hipóteses)

De onde é que vocês tiraram essa conversa de que o Romeu
não será candidato?

Um doido para ser vereador.
O outro louco para ser chefe de gabinete.

Entidade fechADA

A prefeitura 'castrou' o abrigo
de animais da ADA

Por meio de comunicado público a ADA - Associação Defensora dos Animais de Patrocínio, fundada em 21 de setembro de 2005, informa que “está fechando seu abrigo de animais por total falta de colaboração e cooperação dos órgãos públicos municipais”.

A ADA registra que, “durante este tempo, nunca recebeu qualquer ajuda financeira, medicamentos, ração e, tampouco, apoio humano para facilitar o seu trabalho”.

Esclarece, ainda, “que tentou por várias vezes, através de reunião, uma solução para minimizar o grande e grave problema da superpopulação canina em na cidade”.

Que “a urgência de um projeto sobre castração foi exaustivamente discutido, mas nunca foi levado adiante”.

E enfatiza com todas as letras:

“A ADA não é responsável pela falta de vontade e descaso do Poder Público Municipal!”

A pergunta que fica no ar é a seguinte:

O número de animais soltos pelas ruas de Patrocínio já é assustador. Quantos animais a ADA tem ultimamente em seu abrigo? Com o fechamento do abrigo da ADA, que destino terão estes animais (até então abrigados)?

Com a palavra o responsável: o Poder Público Municipal com toda sua falta de vontade e descaso.

Fonte: Blogue da ADA

26.5.10

Imagens: + que 1.000 palavras

Publicando a pedidos
Patrocínio, Minas Gerais, manhã
de 24 de maio de 2010.


Cenas (ocultas) da visita de um
governador candidato ao governo.


Clique aqui, aqui, aqui, aqui e aqui para ver mais imagens.

O Governo 23 vai fazer isso

Poder de Reza Braba

Enquanto isso, no alto da Serra do Cruzeiro, uma solitária oração
com direito a resposta do Redentor.

Clique aqui para ampliar a imagem
Foto: Nófrim da Dona Santinha

Romeu na dúvida

E, afinal, Romeu Queiroz
será ou não candidato?


Andam dizendo por aí que não... Mas será?

Reabrir?

Governador em pré-campanha para o governo se esqueceu de prometer a “reabertura” do Hotel Serra Negra

A “reabertura” do Hotel Serra Negra ficou fora da pauta de promessas da visita de pré-campanha do governador candidato ao governo.

Quando visitou Patrocínio pela primeira vez, ainda na condição de vice-governador, por ocasião de inauguração do Centro Viva Vida Dona Lica, Dr. Antônio Augusto garantiu ao prefeito que juntos trabalhariam para a “reabertura” do Hotel Estância Serra Negra. “Me procure em Belo Horizonte para tratarmos especificamente desse assunto”, teria dito naquela oportunidade.

Desde então, tanto o prefeito quanto seu secretário de Desenvolvimento Sustentável e Turismo não falam em outra coisa: “reabrir” o Hotel Estância Serra Negra. Inclusive até entraram em contato com um dos membros da família Nascimento (que, como diria o sábio e inspirado filósofo dublê de vereador C. Remix, no que diz respeito àquele inestimável patrimônio, não c... e nem desocupa a moita).

Mas, como apregoa o impagável Nófrim da Dona Santinha nas adjacências do Bar do Lazim (rua Coronel João Cãido quase esquina com Bené Valadares), falar em simplesmente “reabrir” aquele hotel não refresca nada. Pega até mal, sabia? Reabrir?

O que se aproveita ali é a grande e estratégica área aprazível ao pé de uma chaminé vulcânica da Era Terciária e todo o complexo das águas minerais e sulfurosas. No mais, fosse mesmo um projeto sério, tem é que se erguer um moderníssimo empreendimento, pensando grande e para frente, para atrair turistas até do exterior.

Agora, falar em “reabrir” pura e simplesmente o Hotel Estância Serra Negra, isso só pode ser falácia de quem não viu o precaríssimo estado físico do prédio em seus últimos dias.

Uma reforma daquilo lá fica ene vezes mais cara do que uma nova edificação, com um projeto moderno, arrojado e futurista.

Mas o certo é que a propalada e propagada “reabertura” do Hotel Serra Negra, o governador em pré-campanha para o governo se esqueceu de prometer (e foi dele a ideia um ano atrás).

Será que a assessoria do prefeito esqueceu de lembrar o homem? Que falha, hein!?.

Ê assessoria!

Em tempo: Sobre el tema, veja essa sacadita del Zélói.

Retrato do momento

Clique aqui para ampliar a imagem.
Foto: Site da prefeitura.

Os chuchus

"14ª ordinária poderá ser a última
do vereador Alberto Sanarelli"


Leia mais aqui.

25.5.10

O Valterson tem razão! (2)

Em 2009, quando a LPF - Liga Patrocinense de Futebol sofreu (c0mo ainda sofre) com a falta de re/passe (por parte da prefeitura) para tocar o Campeonato Amador, este JdFA reper/curtiu a notícia, conforme se pode ver aqui e aqui.

Em 14 de julho de 2009 este mesmo JdFA, sob o título “Mais uma por W.O.” postou a ilustração abaixo, que pode ser conferida
aqui também.

Leia no maisumonline de hoje postagem sobre o tema,
também reconhecendo que o Valterson tem, sim, toda razão...

"No ano passado, ao dificultar pela primeira vez o pagamento da arbitragem (argumentando que a prefeitura não teria dinheiro para efetuar o repasse), Edméia sentiu na pele toda a ira e agressividade do vereador Cássio Remis (PSDC)".

"Na época, como lhe é peculiar e inerente, usando da tribuna da Câmara e dos microfones da Difurosa AM, o filho vereador do pai secretário municipal de Esportes & Lazer c... na cabeça da secretária".

"Além de chamá-la incompetente, Remis acusou Edméia de estar ‘engavetar projetos’ e colocou em cheque a credibilidade da secretária ao afirmar que, daquele momento em diante, iria fiscalizar de perto como estavam sendo aplicados os recursos do município. (o que, claro, não aconteceu) ".

"Acompanhando de perto esses constantes atrasos de compromissos tradicionalmente firmados com o futebol amador, é certo que o empresário e comentarista esportivo da Difusora Valterson Silva esteja apreensivo, reticente em aceitar o convite do presidente do PFC, o empresário Maré Lízio Jacinto para ser o Diretor de Futebol do time profissional, mesmo que já tenha recebido proposta financeira para assumir a responsabilidade".

"Na parceria com o Santo André, caberá à prefeitura toda a logística do empreendimento, república completa, departamento médico, transporte, pagamento da arbitragem e o fornecimento dos campos para treinamento e jogos".

"Caso o guverno 23 deixe de cumprir esses compromissos, caberá ao Diretor de Futebol do PFC o ônus de explicar, ponderar, colocar panos quentes, negociar ou até, quem sabe, pagar do próprio bolso, até que o presidente (que mora no interior de São Paulo, a 600 km da sua terra natal) possa vir de público dar (no bom sentido, lógico) a solução oficial para o problema".

"Segundo informais informantes, Valterson teria confidenciado a interlocutores que já não tem mais paciência nem saúde para tal", registrou o conceituado maisumonline.

O Valterson tem razão!

Deu no dianewsnoticias:
Árbitros do Campeonato Amador ameaçam paralisar competição por falta de pagamento.


A atual administração municipal, que por meio de parceria pretende tocar futebol profissional em Patrocínio ainda não repassou recursos à Liga Patrocinense de Futebol.

Árbitros do Campeonato Amador estão há 11 rodadas sem receber um tostão sequer.

Abre aspas.

“Já foram disputadas onze rodadas do Campeonato Amador da Liga Patrocinense de Futebol e até então os árbitros não receberam os devidos pagamentos pelas partidas que foram trabalhadas”.

“No final de semana chegou-se até mesmo cogitar uma possível paralisação da competição pela falta de pagamento”.

No dia 10 deste mês a Câmara Municipal de Patrocínio aprovou o Processo de Lei que autoriza a Prefeitura a repassar recursos na ordem de R$ 40.000,00 para a Liga Patrocinense de Futebol efetuar o pagamento da arbitragem”.

“Segundo informou a secretária municipal de Finanças do município, Edméa Cardoso, o pagamento da primeira parcela no valor de R$ 10.000,00 (os recursos serão repassados em quatro parcelas iguais) deve ser liberado nos próximos quinze dias”.

“A Lei foi sancionada pelo prefeito e a liberação dos recursos só pode ser feita após a publicação da mesma, o que vai acontecer nos próximos dias”.

“O pagamento será feito direto pela prefeitura para a LPF”.

Fecha aspas.

Aliás, o tema é recorrente. Afinal, atrasar repasses (inclusive às creches e entidades assistenciais) não é novidade na administração pública atual. Senão vejamos.

Em 14 de julho do ano passado, o maisumonline deu a seguinte manchete:

“Por falta de pagamento da arbitragem pela prefeitura, Campeonato Amador pode parar”.

“O Campeonato Amador de Patrocínio (1ª, 2ª e 3ª divisões) poderá ser paralisado neste final de semana caso os árbitros não recebam o que lhes é devido pela Prefeitura Municipal”.

“A informação foi divulgada no programa ‘Parada dos Esportes’ da Difusora AM, desta terça-feira, 14/7/2009”.

“O pagamento da arbitragem do futebol amador pela prefeitura, um processo que se tornou tradicional no desporto patrocinense, só poderá ser realizado através de lei aprovada na Câmara Municipal”.

“O projeto, segundo informou à Difusora o secretário municipal de Esportes e Lazer, Marcos Remis, está parado nas mãos do prefeito Lucas”.

Fontes: dianewsnoticias e maisumonline.

Agora, só em 2012...

Será mesmo que o povo tem
a Câmara que merece?


Síntese de uma entrevista à Módulo

Da série:
Desabafos em Público


Fontes: Repórter Júlio César (Módulo FM) e maisumonline.

Xicrinha

Bebé participou da comemoração do Dia Nacional do Café.
E daí?

Fonte: Site da Câmara Municipal.

Zarathustra

A turma do poder

Até que ponto C. Remix tem razão?

Na reunião de hoje, vereador C. Remix quer “justificativas plausíveis” dos vereadores faltosos na sessão de terça passada, “porque senão...”

A reunião de hoje à noite na Câmara Municipal (se der quorum) promete.

Promete ser tensa. Promete ser de muitas explicações. Promete ser palco de pronunciamentos inflamados. Afinal, parlamento é isso. Parlamento vem do latim ‘parlare’ e a fala é o latinório, ou melhor, é a ferramenta e o instrumento de trabalho dos edis - a fala, a palavra.

Os vereadores passaram por cima de um parecer técnico (e contrário) da Comissão de Legislação, Justiça e Redação, presidida pelo impetuoso e juvenil C. Remix e aprovaram uma modificação (mais uma) no Plano Diretor Urbano, atendendo a pedido e interesses do engenheiro civil Luiz Antônio de Paula.

Mesmo com o plenário insuficiente, na última sessão o vereador C. Remix caiu de pau em cima dos vereadores que votaram pela inconstitucionalidade da matéria.

A uma emissora de rádio disse que a ausência dos colegas era “uma falta de compromisso”.

“(...) alguns vereadores aqui hoje não vieram devido a lambança que fizeram na sessão passada”. E que ele, C. Remix, está “cansado de lidar com vereadores inexperientes”.

E prosseguiu com a entrevista:

“Aí na terça feira que vem (que é hoje) aparece um monte de santo aqui, ‘nego’ falando em nome de Deus, ‘vogando’ (?) a questões espíritas para que possa justificar uma ausência, na maior demagogia do mundo”, numa clara referência à ala dos católicos carismáticos na Casa, liderados pela vereadora Marcilene Jacinto.

E pisou fundo:

“Por isso que me envergonha fazer parte dessa classe que não honra o que às vezes recebe. “Isso é uma vergonha. Eu hoje repudio a atitude daqueles que não cumpriram com a sua função de estarem aqui pontualmente às 19 horas e honrar o seu salário”.

E referindo-se à sessão desta terça-feira (hoje) arrematou:

“Tomara que eles tenham justificativas plausíveis, porque senão...”

“Porque senão” o quê, vereador C. Remix?

A reunião de hoje à noite na Câmara Municipal promete...

Se der quorum, é lógico.

PPS - Pode Partir Sanarelli

O salário do Sanarelli vai dobrar,
mas o Marco Antônio é que(m)
vai bamburrar.


No guichê do BB

Patrocínio, 24 de maio de 2010

Patrocínio e o governador em campanha para o governo

Colunista Chico Magalhães, especialmente para o JdFA.

Fatos não noticiados da vinda do governador (ou será do candidato ao governo?) Anastasia a Patrocínio.

Para trazer uma ‘ala’ da ‘comitiva’ do homem, dois ônibus lotados da Gontijo com placa de Corinto. Verdadeira torcida organizada, para gritar/ovacionar o nome da autoridade, ora em campanha pelo interior mineiro. Só faltou bandeira (que aí seria, literalmente, muita bandeira em pleno período pré-eleitoral).

Mas, também, com os professores grevistas na cola dele, gritando palavras de ordem impublicáveis...

Em Patrocínio a PM, comandada por um major de outra praça, cercou o Catiguá e as imediações do trajeto oficial com corda de nylon e pelotão fardado, de fora-a-fora.

Os professores não tiveram como se aproximar muito. Mas estiveram lá. E nas proximidades da Santa Casa. Inclusive levaram um caixão imenso, no qual caberiam, simbolicamente, Aécio, Anastasia e o secretário estadual de Educação juntos e com folga.

Durante a solenidade no clube, no ato dos discursos, assinaturas etc, latinhas de cerveja Skol correram soltas, a loirinha gelada desceu redondo (e, comparando-se ao consumo de água mineral, foi preferência geral no salão principal do Catiguá).

Depois de tudo, serviram um ‘lauto’ banquete, sob os auspícios do Nhac Buffet, para centenas de famintos comensais.

O ilustre governador (ou será candidato ao governo?) não esperou pela ‘bóia’. Foi embora sem almoçar. Saiu apressado. Precavido, vazou pela tangente. Qualquer manifestação contrária, para quem está em campanha eleitoral, repercute ensurdecedoramente. (E os professores grevistas estavam contidos e inflamados lá fora).

Parte da imprensa local entrou no esquema do Governo 23.

O candidato ao governo (ou será o governador?) esteve em Patrocínio graças ao empenho e prestígio pessoal do deputado Deiró Marra, que, espertamente, já conhecendo os papa-louros da politiquice local, havia anunciado antecipadamente uma série de benefícios e convênios conquistados (como UTI neonatal, recursos para o Hospital do Câncer e Hemodiálise).

Parte da imprensa (assessorada por políticos e apaniguados do “grupo que resgatou o poder”) está botando tudo na conta do prestígio assombroso/estrondoso da administração municipal.

Como também está evitando fazer referência ao deputado Silas Brasileiro em seu pleito conquistado, que é a conclusão da Avenida Aécio Neves.

São dois líderes de muitos votos e bom trânsito. Contestar quem há de? Por isso, nem com ajuda de parte da imprensa os papa-louros têm conseguido 'capitalizar politicamente' em cima de seus pleitos. Quando muito pegam carona, como aconteceu hoje.

Inclusive consta que Deiró Marra, segundo o jornal Edição do Brasil, de Belo Horizonte, edição 16/5/10, sob o título "PR Dividido", destaca o deputado estadual patrocinense em sua coluna política “Vigílias”, que afirma que “enquanto o presidente do Partido da República (PR), Clésio Andrade, sentava-se, na terça-feira passada, com os presidentes dos partidos de oposição, para discutir os rumos da sucessão mineira, o único deputado estadual do PR, Deiró Marra, concedia entrevista ao programa Mundo Político, da TV Assembleia, garantindo que ele é da base aliada e ficará com a candidatura de Antônio Anastasia”.

Foi confiando nesse canto, que Anastasia esteve em Patrocínio, a primeira vez como governador e candidato ao governo (antes, quando veio, já era candidato, mas era apenas o vice).

O doutor prefeito disse, em entrevista às emissoras de rádio, que quando foi anunciado a implantação de Hemodiálise na cidade, a surpresa foi tanta que ele arrepiou-se todo, quase chorou.

Se o chefe do Executivo foi pego de surpresa é porque não tem lido os releases fartamente publicados na imprensa local.

Até a ‘novidade’ da instalação da Planta Química da Fosfertil (ou melhor, da Vale), não foi nenhuma revelação surpreendente. Porque o próprio Governo 23 tem divulgado tal fato como certo, dito e feito, nhambu na capanga, favas contadas. Verdade ou não?

O ‘impacto’ que estão querendo dar a esse anúncio (aí sim) fica parecendo factóide eleitoral, de candidato em campanha política.

Quanto ao possível “Protocolo de Intenções”, que este JdFA sempre defendeu (vide arquivos), assiná-lo agora, no apagar das luzes do governo, também cheira a estratégia de marketeiro político, tendo em vista que este investimento da Vale, de bilhões de reais, além de cair na conta de conquistas de feitos do governo do Estado, cai como luva na conta eleitoral do candidato.

Como quem diz: se o Dr. Anastasia for re-eleito, o “Protocolo de Intenções” vale, com todas as contrapartidas prometidas e garantidas.

De repente, não mais que de repente, tudo o que até aqui e agora foi morosamente adiado tornou-se tão ágil e urgente... O ovo botado é cantado sem nem mesmo ter saído da galinha de ouro.

Se tudo o que foi dito e ouvido hoje (dia tido e havido como histórico pelo oficialismo municipal) não se materializar o quanto antes (antes de findar o mandato do atual governo do Estado), não sairá do papel, não passará de discurso vazio de palanque, como tantos discursos que já engambelaram Patrocínio em anos eleitorais.

E, convenhamos, devemos considerar os números dos institutos de pesquisa.

Será que o Dr. Anastasia vai mesmo entregar o que hoje nos vendeu? Muito antes de 31 de dezembro de 2010? Tem que ser, senão... Porque, depois dessa data, depois desse prazo ele não pode nos garantir a entrega de nada. A não ser que seja reeleito. (Entendeu a jogada marketeira?)

Mas aí já é outra história. Tem que ganhar de Hélio Costa, do PT e aliados.

O negócio, então, é correr atrás. Mas a julgar pela pequena amostra de campanha de hoje, sem carisma e sem discurso empolgante, Dr. Anastasia vai ter que melhorar muito...

Em tempo: Recentemente - há cerca de duas semanas - o bureau de campanha de Anastasia mandou fazer pesquisa em Patrocínio e região (Vox Populi). A quantas anda o indíce de aceitação do Governo 23 esteve na prancheta de perguntas dos entrevistadores. Dizem que, se dependesse desse indíce o governador candidato não teria vindo, não. "Vou porque dei minha palavra a você e confiando no seu prestígio, Deiró", teria dito.

23.5.10

Seleção, samba e oração...

O JdFA fez um sacrifício e deslocou seu correspondente ad hoc Nófrim da Dona Santinha até Curitiba, para cobrir a apresentação da Seleção de futebol.

Especialista em furar bloqueios, nosso repórter, camuflado em meio a arbustos presenciou a disputa de gosto duvidoso entre Robinho e Júlio Baptista no cavaquinho.

“Respeito quem ‘apreceia’, mas deus que me livre e guarde agüentar cavaquinho e pandeiro o tempo todo nos momentos de folga, com os ‘meninos’ do Dunga numa roda de samba sem fim, cantando músicas de Dudu Nobre, Martinália, Arlindo Cruz e similares”.

Em sua página no Twitter, o meia Kaká revelou os bastidores da roda de samba no sábado, na concentração da equipe no Centro de Treinamento do Atlético paranaense.

“Coisa de panelinha mesmo. A estrela do Real Madrid escreveu que Robinho agora é o ‘dono da roda’. Ainda bem que o Ronaldinho Gaúcho não foi convocado. Seria de matar ter que aguentar isso até chegar ao ponto de enfarar”.

Veja dois posts de Kaká:

“Momento samba!!! JB, Roby, Dani e o resto na palma...”

“Robinho toca cavaquinho melhor que o JB!!! Comprovado...”


Nófrim contou ainda:

“Depois da ‘roda’, os evangélicos do time conclamaram a todos se darem as mãos e fizeram uma oração em voz alta, com o coro de jogadores em transe gritando “aleluia”, “amém”, “glória a Deus” etc”.

O filho da Dona Santinha arrematou:

'JB, Roby, Dani'? Me poupe. Não quero cobrir a Seleção na África do Sul, não... Não tenho saúde - e nem estômago - para isso”.

É por aí... “E o resto na palma...” Só no sapatinho, ou melhor, no tamanquinho.

Slogans das Seleções Copa 2010

Conheça as frases que vão estampar os ônibus das 32 seleções durante a Copa do Mundo, na África do Sul.

Os slogans foram escolhidos em uma votação pela internet, no site da Fifa.

A frase escolhida para a seleção brasileira foi: “Lotado! O Brasil inteiro está aqui dentro!”.

A outra opção era: “Movido pela paixão de jogar futebol”.

22.5.10

Infelizmente é assim

Patrocínio merecia coisa melhor

Quem tem boa memória há de se lembrar.

No início de fevereiro de 2009 os vereadores Cássio Remis, Marta Elias, Alberto Sanarelli, Joel de Carvalho e Cláudio Alcântara recorreram o Judiciário e impetraram Mandado de Segurança, contestando atos (solitários, isolados e personalistas) do presidente da Câmara Humberto Donizete Ferreira.

O advogado contratado para a demanda judicial foi Fernando Bernardes Dias.

Até coletiva com a imprensa foi realizada.

O Mandado impetrado solicitava que os demais membros da Mesa Diretora (Sanarelli, vice-presidente; Marcilene Jacinto, secretária e Marta Elias, tesoureira) fossem consultados sobre os atos da presidência da Casa.

O vereador Cássio Remis disse, à época, que consta no Regimento Interno e na Lei Orgânica que essas ações são de responsabilidade de toda a Mesa Diretora e não apenas do Presidente.

Alberto Sanarelli afirmou, então, que os vereadores queriam “apenas informações e participação nas decisões”.

E no que isso deu? Em nada. Acabou em pizza.

Ficou foi pior. Aí é que o presidente Bebé deu de ombros, fez de conta que não era com ele, desconheceu o pleito de seus pares e nunca, até hoje, prestou contas de seus atos, na administração de um orçamento milionário gerido pelo poder Legislativo patrocinense (gerenciado por ele).

Sequer cumpre o inciso VII do artigo 29 da Lei Orgânica (a Constituição do município), que determina que o presidente da Câmara é obrigado a “apresentar no Plenário, até o dia vinte de cada mês, o balancete relativo aos recursos recebidos e as despesas do mês anterior”.

Com isso, está realizando uma ampliação física do prédio da Câmara que consome volumosos recursos e nem ‘tchum’ para os demais companheiros.

A verdade, leitores, é que a Câmara Municipal de Patrocínio bagunçou geral.

Depois do ‘affair’ 70 mil reais só no mês de dezembro 2009 com gastos em diárias de viagem (denunciado pelo prefeito), a Casa de Leis ficou e está desacreditada.

Como pode o Legislativo patrocinense, que faz as leis e tem como missão primeira fazê-las cumprir e fiscalizar o Poder Executivo, não dar o exemplo? Nem mesmo dentro de Casa?

Quanto ao Mandado de Segurança impetrado pelos vereadores... Bom, deixemos isso pra lá e cuidemos da vida que é melhor.

Desentendimentos legais

Bela Marcilene, a Comissão de Legislação, Justiça e Redação da Câmara, presidida pelo vereador
C. Remix deu parecer contrário a um projeto de lei seu, que modifica
o Plano Diretor...

Clique aqui para ampliar a imagem.

A bela Marcilene tem razão.

O parecer contrário da Comissão de Legislação, Justiça e Redação da Câmara (presidida pelo vereador C. Remix) não foi 'val'. A turma não deu a mínima.

O plenário, por sua grande maioria, jogou por terra o tal parecer, derrotando-o no voto e aprovando um projeto de lei da vereadora, mais um que modifica a imensa colcha de retalhos chamado Plano Diretor Sub/Urbano.

Mas, em compensação, criou-se um impasse no Legislativo.

Inconformado, C. Remix esperneia, bufa, solta fogo pelas ventas.

Como seus 'inexperientes' colegas ousaram desconsiderar sua 'análise técnica, aprofundada e fundamentada'? Ora, ora, pois, pois! Quanta desfaçatez. (Para entender melhor, lei'aqui).

Desdobramentos vêm por aí...

Não deixe que isso 'canse sua beleza', ó Marcilene!

Uma despesa a mais (e à-toa)

Dinheiro a rodo - Gasto desnecessário
Prefeitura vai alugar casa para
a Divisão de Meio Ambiente


Notícia completa aqui.

Que tipo de 'chefe' você é?

"Não tenha medo de ser chefe"
Demita quem persistir na incompetência

Resolva os pequenos problemas antes que eles se agravem, recomenda "Não Tenha Medo de Ser Chefe" - Como Combater a Epidemia de Subgerenciamento e se Tornar o Líder de que Sua Equipe Precisa.

Para o autor Bruce Tulgan, consultor de líderes empresariais no mundo inteiro, com artigos publicados no jornal americano "The New York Times", há quatro razões pelas quais os gerentes devem demitir funcionários que persistem no desempenho insatisfatório.

"Eles estão sendo pagos; eles causam problemas que precisam ser resolvidos por outros funcionários; os profissionais de ótimo desempenho detestam trabalhar com pessoas incompetentes - e você não pode se dar ao luxo de perder os melhores; os funcionários que não rendem transmitem uma mensagem péssima para todos os demais: 'o baixo desempenho é tolerado por aqui'".

O autor lembra que os gerentes detestam entrar em conflito com os funcionários. "Quando surgem pequenos problemas de desempenho, você não parte com tudo para cima da pessoa. Em vez disso, apenas alude a um problema, fazendo sugestões na esperança de que ela entenda a deixa e corra atrás para melhorar a situação".

Dividido em dez capítulos, o livro dá outros conselhos: "Adquira o hábito de gerenciar todos os dias e diga às pessoas o que fazer e como fazer".

21.5.10

Eleições 2010

Políticos que nunca vêm a Patrocínio já começam a aparecer, atrás de votos. Depois somem de novo.

Clique aqui para ampliar a imagem

Recepcionante

Júlio Elias recebeu bem,
mas não tirou o boné
para o candidato do DEM.

Leia a notícia da recepção aqui no maisumonline.

A Geração Google da prefeitura

Novo Decreto Municipal:
Vereadores esquecidos, Comércio Atacado de Palmito, Fiação de Seda e Escolas de Datilografia lembrados.

O doutor prefeito, orientado por sua assessoria e pelo ilustre secretário Alcides Dornelas dos Santos, meteu a caneta e baixou o Decreto 2.640 (optou pelo decreto em vez de lei), estabelecendo normas (horários) para funcionamentos comerciais, industriais e de prestação de serviços em Patrocínio, cujo inteiro teor pode (deve!) ser conhecido aqui.

Viva a Geração Google.

O tal decreto é, na verdade, um ‘frankstein’, com um trecho aqui, outro ali, catados na Internet e montados ao gosto do freguês. Um arrazoado.

Mas é preciso que você o leia para compreender melhor este comentário.

Baixado em 31 de março, só agora veio à luz. Consta que era para entrar em vigor 60 dias após sua publicação (daqui, à distância, não se sabe quando foi publicado, mas como a ampla publicidade se deu a partir de ontem, por que o mesmo vai vigorar já a partir de 1º de junho? O certo não seria 60 dias a partir de 20 de maio? Porque é a partir da divulgação que as atividades comerciais, industriais e de prestação de serviços terão tempo hábil para se adequarem).

Isso é só um detalhe. Mas é um detalhe.

"O decreto define horários permitidos para funcionamento de cada tipo de empreendimento, inclusive aos sábados, domingos e feriados. A maioria vai poder funcionar até 23 horas, mas há variação de acordo com cada segmento", enfatiza a divulgação.

Diz o tal que, para que haja alteração de qualquer horário (ou norma) dependerá de parecer favorável de uma comissão, especificamente instituída para este fim, levando-se em conta, em especial a prevenção à violência.

Quem comporá esta comissão? 90% gente do governo municipal.

A comissão será composta por um representante da secretaria municipal de Segurança, da secretaria de Finanças, da secretaria de Desenvolvimento Econômico, da secretaria de Obras e Serviços Urbanos e da secretaria de Saúde, um representante da ACIP, um representante da CDL, um representante da Polícia Militar e um representante do Corpo de Bombeiros.

Faltou, lógico, um representante do povo (leia-se Câmara Municipal). Mais uma vez os vereadores foram (e ficaram) desprestigiados pelo Governo 23.

Faltaram, também, representantes do Poder Judiciário, do Ministério Público, da OAB, da Polícia Civil, do PROCON, do Conselho Comunitário de Segurança Preventiva de Patrocínio (o CCSPP não trata de segurança?), do Sindicato dos Empregados no Comércio de Patrocínio (pois envolve interesse dos comerciários) e do Conselho do Menor e do Adolescente.

Esta comissão tem poderes plenos para autorizar, licenciar, renovar concessão, cassar, notificar, julgar etc. É toda poderosa. Por isso deveria ser a mais abrangente possível. E faltar um representante do povo (leia-se um vereador) em sua composição, se não é imperdoável é, no mínimo, ato falho.

O decreto tem pontos positivos? Claro que tem.

E veio para regularizar uma situação que já vem ocorrendo: cassação de alvará de funcionamento de estabelecimentos que, comprovadamente, permitirem, incentivarem ou contribuírem de alguma forma para a violência, prostituição, tráfico de drogas, etc (vide Casa Amarela, Bar da Cláudia e outros, que tiveram suas ‘atividades’ encerradas pelo Xerife Al Cides ).

Bom, o texto oficial diz que “a cassação do alvará de funcionamento será precedida por processo administrativo assegurado ao estabelecimento acusado o direito ao contraditório e à ampla defesa”. E a gente sabe que isso, até então, não foi seguido ao pé da letra. Quem sabe a partir de agora as ações não sejam tão súbitas e ‘arbitrárias’.

E que a prefeitura disponha de poder fiscalizador. Porque uma coisa é baixar decreto normatizando, normalizando, impondo regras. Outra coisa é fazer cumprir o decretado.

A prefeitura terá uma equipe específica e especializada para isso? Para fiscalizar ‘in loco’ seu cumprimento?

Ou vai contar com os bons préstimos da Polícia Militar para esse intento? Será que a Corporação de Caxias topa (ou pode, tem estrutura para arcar com mais essa responsabilidade?)


No mais, a Geração Google da prefeitura incluiu no decreto, dentre os anexos, na parte de categorias em Patrocínio, três atividades especiais por demais interessantes:

O Comércio Atacado de Palmito, de Fiação de Seda e as Escolas de Datilografia (se é para ser atual/modernizante/modernizador, nisso o tal decreto forçou a barra...)

Detalhes que passaram despercebidos (ou desapercebidos) pela GG da prefeitura, na hora do Ctrl C + Ctrl V.

Em tempo: As igrejas, associações, Centros Espíritas, Funerárias, Hospitais e Motéis são autorizados a funcionar 24 horas pelo decreto, domingo a sábado, inclusive feriados. Ah, bom... Ainda bem.

P.S.: Mas você tem que ler, você precisa conhecer o tal do decreto e checar essas informações.

20.5.10

Loira dando uma de desentendida

Manchete do maisumonline
"Aprovação do 'Ficha Limpa' faz Romeu Queiroz acelerar lançamento de candidatura"
Notícia completa aqui.

Brados retumbantes

Com a palavra o candidato a presidência da Câmara Municipal,
biênio 2011/2012...


Clique aqui para ampliar a imagem

Abre aspas.

“Eu acredito que isso é fruto de uma falta de compromisso. Nós sabemos que todas as terças-feiras, 7 horas da noite, nós temos um compromisso com o povo de Patrocínio. Agora, infelizmente, tem alguns vereadores que aqui hoje não vieram devido a lambança que fizeram na sessão passada. Eu estou cansado de lidar com vereadores inexperientes”.

“Isso me revolta, o salário que nós recebemos aqui é para pelo menos vir aqui uma vez por semana. Não precisa vir todo dia, mas pelo menos terça-feira tem que estar aqui. Agora, aí na terça feira que vem aparece um monte de santo aqui, ‘nego’ falando em nome de Deus, ‘vogando’ (?) a questões espíritas para que possa justificar uma ausência, na maior demagogia do mundo. Tem que acabar com isso no município de Patrocínio.”

Por isso que me envergonha fazer parte dessa classe que não honra o que às vezes recebe. Nós recebemos aqui hoje 3mil e 800 livre... Eu tô recebendo esse dinheiro e tem que tá satisfeito... Daqui a pouco eu vou largar de ser vereador e vou cuidar de outras coisas. Igual eu tô fazendo. Eu tô mexendo com outras coisas, eu tenho outras funções, eu não sobrevivo única e exclusivamente das minhas funções de vereador não.”

“Isso é uma vergonha. Eu hoje repudio a atitude daqueles que não cumpriram com a sua função de estarem aqui pontualmente às 19 horas e honrar o seu salário. Porque é 3 mil e 800 reais que cai todo mês na sua conta. E às vezes fala que é pouco, que precisa de mais dinheiro, mas, pra ganhar mais dinheiro, precisa trabalhar. Tomara que eles tenham justificativas plausíveis porque senão...

Fecha aspas.

Fontes: Repórter Júlio César (Módulo FM) e maisumonline.

Rádio Comunidade

O secretário municipal de Saúde disse, pelas penetrantes ondas do Sistema Difusora de Rádio (respondendo a questionamento de uma ouvinte), que a empresa que ganhou licitação para fornecimento de remédios à prefeitura não tem como entregar remédio para 'tireóide', pois não o tem em estoque.

Ora, ora, doutor secretário: ganhou a concorrência pública (deve ter sido por oferecer menor preço) e não entrega o produto?

Assim fica fácil participar de licitação e 'papar'.

O que se tem notícia é de que essa questão de falta de medicamentos na rede de saúde pública patrocinense é uma constante.

É um tal de "tem mas acabou", que a pobreza, coitadinha, sofre de tanto esperar.

"O prefeito já entrou em contato com a empresa vencedora/fornecedora e logo isso estará resolvido", disse o secretário.

Com o mínimo de informação que 'vaza' (até sem querer), aos poucos a gente vai entendendo as coisas...

Concordar com esse estado precário e gestão amadora é que são elas.

José Maria Campos falou & disse

Entrevista no Rádio Comunidade de hoje rendeu.

Mesmo atendendo a 11 municípios, Patrocínio não tem IML. Tem um Posto Avançado, localizado na Santa Casa de Misericórdia.

O radialista José Maria Campos sugeriu que o necrotério, edificado no primeiro mandato de Júlio Elias, ora em reforma, seja o espaço definitivo para realização de necropsias/autópsias.

O secretário de Obras garantiu que o espaço é mais que suficiente.

Com o prestígio que tem, se o Zé Maria levar adiante sua idéia, ela pega.

Do jeito que está é que não pode ficar.

Como pode, em um consórcio de 11 municípios vizinhos (aceito por e sob responsabilidade de Patrocínio), nossa cidade não ter ainda um Instituto Médico Legal?

Reúne a turma, organiza, cotiza e faz acontecer. Espaço próprio a prefeitura tem.

Se bem o conhecemos, agora que o grande Zé Maria sabe disso (que Patrocínio não tem IML mas tem espaço adequado para tal), o experiente repórter do povo não terá sossego enquanto alguma coisa não se realizar.

Estamos com o Zé!

É bem capaz

Bebé poderá cortar o ‘ponto’
de vereadores faltosos

Comenta-se, pelos bastidores da Casa de Leis, que o presidente da Câmara Municipal Humberto Donizete Ferreira, o Bebé, pressionado por dois edis, poderá cortar o ‘ponto’ dos vereadores Marta Elias, Salitre, Aleir Donizete e Marcilene Jacinto. Alberto Sanarelli fica livre desse ‘corte’, porque justificou, por escrito e antecipadamente, sua ausência na 13ª Reunião Ordinária, que regimentalmente deveria ter acontecido na última terça-feira, mas que não aconteceu por falta de quorum.

“Os vereadores trabalham muito pouco. Algumas horinhas por semana na noite de terça-feira. E ainda assim faltam às sessões. Isso é um absurdo. O Bebé tem toda razão. Tem mais é que cortar o ponto de quem não compareceu. O mesmo que acontece com qualquer trabalhador comum”, diz indignada a professora Maria das Dôres.

“Imagina se a moda pega. Quando tiver algum debate ou votação polêmica o vereador deixa de comparecer, simplesmente para fugir do ‘pau’. A Câmara precisa mesmo tomar alguma medida, e descontar o dia não trabalhado pode servir de exemplo para que isso não ocorra mais”, manifesta-se o profissional liberal José Antônio dos Reis Silva.

“Não acredito nesse Bebé, não. Pra mim isso vai acabar em pizza, como tudo lá na Câmara. Ainda mais que, dentre os faltosos, estão o vice-presidente, a secretária e a tesoureira da Mesa Diretora. Bobo de quem achar que isso vai dar alguma coisa. E, depois, que moral que o Bebé tem para tomar alguma medida severa? Depois da ‘Farra das Diárias’ denunciada pelo Dr. Lucas, em que os vereadores gastaram 70 mil em um mês com ‘viagens’, esta Câmara que aí está ficou totalmente desacreditada aos olhos do povo”, desabafa o tratorista Luiz Carlos de Oliveira.

Dois motivos podem ter levado ao esvaziamento da reunião de terça-feira:

A derrubada de parecer contrário a um projeto que modifica o Plano Diretor ou a ‘defenestrada’ que o vereador Cássio Remis pretendia dar no médico legista, visto por muitos como relapso e tardio na necropsia da menina Tainá Pereira da Silva, de 13 anos, assassinada após ter sido abusada sexualmente.

Tudo porque o tal médico legista é influente membro da executiva do PPS, mesmo partido do vereador Sanarelli e do prefeito.

E você, vai de quê?

Os eleitores se dividem
em suas preferências

19.5.10

Tudo sobre o escândalo do "Mensalão"

Tudo o que você sempre quis saber sobre o Mensalão nos links abaixo (é só clicar), em um especial da Isto É Reportagens.
I m p e r d í v e l !



Contando ninguém acredita

Os inenarráveis bastidores
de uma simples falta de quorum

Colunista Adelimar Prado, especialmente para o JdFA.

Ainda que com uma pauta fraquinha, a sessão ordinária (e bota ordinária nisso) da Câmara Municipal de Patrocínio, prevista para acontecer ontem, terça-feira, 18/5, não foi realizada por falta de quorum, ou seja, não havia no plenário o número suficiente de vereadores (seis dos 10) para que a reunião acontecesse.

Deixaram de comparecer (sem justificar a ausência) os vereadores Salitre (PSDB), Aleir Donizete (PT do B), Marta Elias (PMDB) e Marcilene Jacinto (PHS). O vereador Alberto Sanarelli (PPS) também não apareceu, mas teria justificado antecipadamente (ou premeditadamente) sua ausência.

Claro que ninguém vai confessar (e provavelmente podem até negar), mas o que este colunista apurou é que estes vereadores supracitados não quiseram dar ‘palanque’ para o edil C. Remix, que estava prometendo para a noite de ontem um verdadeiro escarcéu e oba-oba em cima do lamentável episódio amplamente divulgado pela imprensa local (vej'aqui), envolvendo a fatídica morte da menina Tainá Pereira da Silva, de 13 anos, assassinada após ser possivelmente abusada sexualmente.

Bem ao seu estilo, o vereador C. Remix pretendia (ou pretende ainda) usar da tribuna da Casa de Leis para literalmente soltar os cachorros, cobras e lagartos em cima do médico legista e do IML, bem como do lamentável estado em que se encontra o necrotério municipal.

Até aí, tudo bem, o vereador até que tem razão (e a imprensa, revoltada, já bateu na tecla do descaso e exige melhorias).

Mas o que ninguém agüenta, o que ninguém tolera é o jeito, digamos, político-eleitoreiro, de como o citado vereador trata de questões (principalmente tão sensíveis) como essa, botando sempre um cunho, repetimos, político-eleitoreiro, dizendo publicamente, em alto e bom som, que ligou em Belo Horizonte, que entrou em contato, que falou com seu candidato do PT a deputado estadual nas eleições 2010 etc... E com uma entonação; com uma impostação de voz que credo em cruz...

Aí é de matar. Aí é de morrer. Não precisava disso, carecia?

Na cabeça de todo mundo muda o foco. O que antes parecia ser sentimento sincero do vereador, que ele realmente se sensibilizou pela situação da menina assassinada e de sua família consternada, passa a ser (na cabeça de todos que o conhecem bem) mais uma ação, enfatizamos, político-eleitoreira. Do meio sendo usado como um fim.

E assim é com a cantada e decantada ‘parceria’ para o futebol profissional, a missão, o retorno... No fundo, no fundo fica sempre aquela impressão de que o objetivo mesmo é, no fim das contas, angariar votos.

(Por falar na ‘parceria’ entre a prefeitura e o Santo André, era esperado para a reunião de ontem que o nominado vereador levasse cópia do contrato assinado semana passada... Será que levou e ia apresentar?)

De modos que, resumindo a ópera, Sanarelli e os demais vereadores deixaram de comparecer à reunião porque não querem entrar em ‘paradas’ dessa natureza.

Até porque o médico legista, que ontem poderia ter sido defenestrado no plenário da Câmara, é alto e importante membro da executiva do PPS, mesmo partido do Sanarelli e do doutor prefeito.